RSS Facebook LinkedIn Twitter

O que eu aprendi com a minha Maratona – Finalizando

Postado por Lisandro Zanotto | em Capacitação, Coaching Executivo e Empresarial, Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Geral, Gestão, Liderança, Recolocação Profissional, Relacionamento Profissional, Transição de Carreira | no dia 29/11/2016

Nenhum comentário

Correndo uma maratona, ou melhor, me preparando e correndo a maratona eu aprendi que:

Disciplina: é tão importante quanto definir o seu objetivo. Você pode ser um excelente planejador, mas se não desenvolver disciplina, certamente não chegará a lugar algum. Tinham dias que eu não tinha a mínima vontade de sair para treinar. Quem mora em Curitiba-Pr ou a conhece um pouco, sabe que muitos dias do ano são frios e chuvosos. A disciplina contribuiu muito para eu atingir a minha meta de correr uma maratona. Poderia aqui mencionar inúmeros resultados atingidos falando apenas de disciplina.

O que eu aprendi com a minha Maratona – Ato 1

Postado por Lisandro Zanotto | em Coaching Executivo e Empresarial, Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Geral, Gestão, Liderança, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 22/11/2016

Nenhum comentário

Esta história eu preciso dividir em dois atos. Aqui vai o primeiro ato.

Você que me acompanha há tempos, já notou que sou apaixonado por esportes. Comecei cedo, aos nove anos de idade iniciava no futebol de salão, aos 14 anos estreava no campo oficial de futebol e aos vinte e poucos anos estava jogando em um time profissional.

Quais são os atributos indispensáveis para uma carreira de sucesso?

Postado por Lisandro Zanotto | em Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Gestão, Liderança, Recolocação Profissional, Relacionamento Profissional, Transição de Carreira | no dia 17/11/2016

Nenhum comentário

Você quer ser bem sucedido em sua carreira? Em caso negativo, não perca o seu tempo lendo este artigo. O que é ser bem sucedido? Tenho certeza que não existe uma única definição, até mesmo porque entendo que é uma questão bem subjetiva.

O que o empreendedorismo mais me ensina

Postado por Lisandro Zanotto | em Empreendedorismo, Geral, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 08/11/2016

Nenhum comentário

Nesta segunda-feira, estava atendendo um cliente que após longos anos atuando como alto executivo, resolveu abrir o seu próprio negócio.

Através das conversas que tenho tido com ele, sinto o brilho nos olhos quando ele fala a respeito do seu negócio, não só dos êxitos, mas também dos dissabores. Não tenho dúvida nenhuma que o sucesso o alcançará. Pelo simples fato de como encara o grande desafio que é ser empresário em nosso país. Ele me confidenciou que ao conversar com sua esposa, disse: “Olha, pode até ser que o meu negócio não dê certo, mas que eu estou me divertindo, isso eu estou…”

Que tipo de aliança você tem feito em sua carreira?

Postado por Lisandro Zanotto | em Capacitação, Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Geral, Gestão, Liderança, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 01/11/2016

Nenhum comentário

Sabemos mais do que nunca que manter alianças no mundo corporativo é fundamental para podermos nos tornar profissionais cada dia melhores. Ninguém cresce sozinho, seja empreendendo ou atuando como executivo nas corporações.

Como precificar o meu trabalho?

Postado por Lisandro Zanotto | em Empreendedorismo, Geral, Gestão, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 25/10/2016

Nenhum comentário

Uma das maiores dificuldades dos futuros empreendedores na área de serviços é precificar o seu trabalho. A pergunta que inquieta é: Quanto eu devo cobrar para este trabalho?

Entendo que não podemos pensar unicamente em número, e sim em dois tipos de critérios fundamentais para formar preço quando se está ofertando um serviço. São os critérios subjetivos e objetivos. Então, o que levar em conta nestes dois pontos?

Os “Porquês” da Transição de Carreira

Postado por Lisandro Zanotto | em Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Geral, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 18/10/2016

Nenhum comentário

Taiichi Ohno, pai do Sistema de Produção Toyota, desenvolveu uma metodologia muito simples e ao mesmo tempo muito eficaz para detectar problemas na produção. São os 5 Porquês. Taiichi cita o seguinte exemplo, a máquina parou:

  1. Porque a máquina parou? Houve uma sobrecarga e o fusível queimou.
  2. Porque houve a sobrecarga? O mancal não estava lubrificado de maneira adequada.
  3. Porque o mancal não estava lubrificado de maneira adequada? A bomba de óleo lubrificante não estava bombeando de maneira correta.
  4. Porque a bomba não estava bombeando de maneira correta? O eixo de acionamento da bomba estava desgastado e trepidando.
  5. Porque o eixo estava desgastado? Não havia filtro e entraram fragmentos metálicos.

Se neste exemplo não fosse usada a técnica dos 5 porquês, seria trocado o fusível ou a bomba de óleo e o problema em um futuro bem próximo voltaria a ocorrer. É preciso ir a fundo à causa-raiz. O que este exemplo nos ensina quando estamos refletindo sobre a transição de carreira? Você já usou a técnica olhando para a sua transição de carreira? Quais foram suas conclusões?

Quando a carreira é analisada sob esta ótica, o profissional tem a oportunidade de tornar-se protagonista dos seus próximos resultados. O exercício traz com clareza a causa-raiz. A partir daí, montar um planejamento de carreira faz-se necessário para poder alcançar o próximo objetivo profissional, seja um novo trabalho no mundo corporativo ou “desengavetando” aquele sonho de abrir o seu próprio negócio.

Não deixe de analisar “os porquês” da sua transição de carreira.

A decisão mais difícil

Postado por Lisandro Zanotto | em Empreendedorismo, Geral, Gestão, Relacionamento Profissional, Transição de Carreira | no dia 11/10/2016

Nenhum comentário

A todo o momento somos bombardeados a respeito de inúmeras informações. Nunca tivemos a quantidade de canais disponíveis para acessar como nos dias atuais. Automaticamente, não paramos de pensar e consequentemente nossas mentes borbulham com inúmeras ideias.

Então começa o grande dilema, decidir, escolher, optar… Você já teve uma grande ideia que não implementou? Já quis abrir seu próprio negócio e não levou esta ideia a frente? Colocando a sua carreira em uma linha do tempo, você se enxerga mais planejador (a), executor (a) ou em equilíbrio nestas duas competências?

Meu objetivo com este texto é falar sobre a decisão de empreender, uma das mais difíceis. E aqui, elenco algumas situações que você deve evitar:

  1. Não “ouça” a sua família: sei que pode soar polêmico e estranho, por isso coloquei entre aspas. Não “ouvir” a família é não pensar constantemente no que eles trazem como conteúdo sobre a sua ideia de empreender. Por quê? Simples, eles querem nos proteger, não querem que soframos, então, a tendência é que comecem a levantar obstáculos. E convenhamos, o que mais temos quando resolvemos abrir o nosso próprio negócio são obstáculos. Ouça-os de forma seletiva. A quem devemos ouvir? As pessoas que não são muito próximas a nós, elas nos trarão insights
  2. Evite focar na solução: sim, é isto mesmo. Nós somos apaixonados pelas nossas ideias e ficamos até romanticamente embriagados por elas, parecem perfeitas… Quando focamos na solução, o foco pode estar em um problema que nós achamos que existe, e pode até existir, mas o mercado não compra. Quando focamos na solução, inconscientemente evitamos ouvir qual é a dor do cliente. O que fazer? Ouça muito o seu cliente, sempre.
  3. Pensar grande quando se é pequeno: digamos que você irá abrir um restaurante trazendo uma proposta inovadora e já visualiza seu empreendimento no bairro mais nobre da cidade e com uma estrutura fantástica. Pensar grande é fundamental, cuide para que isto não reforce obstáculos para dar o primeiro passo. O risco é cair naquilo que mencionamos no item um, quando falamos de obstáculos. Elencar uma série de condições que não precisam estar presentes em um primeiro momento poderá travar o nosso movimento de começar.

Empreender se torna a decisão mais difícil quando olhamos para situações que ao invés de impulsionar, servem como uma âncora que não deixa as ideias saírem do papel.

Novos tempos em segmentos “tradicionais”

Postado por Lisandro Zanotto | em Coaching Executivo e Empresarial, Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Gestão, Liderança, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 04/10/2016

Nenhum comentário

O mercado de trabalho tem passando por grandes e constantes transformações. A forma de olhar o trabalho não é mais a mesma de outrora, e nunca será. A tecnologia é a grande responsável por estas mudanças, mas não só ela, o valor que se dá ao trabalho também é outro, e isso vem de gente.

Há tempos vivi uma grande transformação em minha carreira. Minha formação acadêmica é voltada para a área da saúde. No início da minha carreira como consultor, há 14 anos, fui duramente questionado por “quebrar” a força do sistema. Que grande lição e como foi fundamental passar por este mar revolto. Como um profissional com uma formação extremamente voltada para a área da saúde poderia estar atuando com treinamento e desenvolvimento de pessoas em organizações? Sem querer, esta pessoa que estava me criticando aos olhos de uns, estava reforçando a minha crença, de que eu estava no caminho certo.

Desconstruindo Crenças em Consultoria

Postado por Lisandro Zanotto | em Desenvolvimento de Pessoas, Empreendedorismo, Gestão, Recolocação Profissional, Transição de Carreira | no dia 27/09/2016

Nenhum comentário

Na última semana estava elaborando o conteúdo de uma palestra que farei nesta quarta-feira, falarei sobre empreendedorismo com foco em consultoria. Ao longo da minha caminhada como consultor, aprendi através das situações vividas e ouvi muitas coisas sobre esta profissão.

Um dos pontos mais delicados em minha opinião, principalmente quando o profissional está analisando a possibilidade de tornar-se consultor, são as crenças limitantes que vem logo a mente. Abaixo, irei citar algumas e colocarei um contra-ponto, baseado em minhas vivências ao longo de 14 anos trabalhando com consultoria.